O Site da História Brasileira

Carregando...

27/05/2010

Quilombo dos Palmares

Nos tempos do Brasil Colônia, existiu no nordeste brasileiro um povoado considerado um paraíso pelos escravos negros do Brasil.

O povoado formado por negros fugitivos ficou conhecido pela História Brasileira como Quilombo dos Palmares.

O Quilombo dos Palmares tornou-se um símbolo da resistência negra contra a escravidão e teve como principal líder, o mártir negro Zumbi dos Palmares.Quilombo PalmaresA História do Quilombo dos Palmares

No Brasil colonial, muitos negros africanos cansados da vida sofrida de escravo, fugiram dos engenhos de açúcar para nunca mais voltarem.

Boa parte desses escravos fugitivos eram recapturados pelos capatazes dos senhores de Engenhos que os caçavam como se eles fossem animais. O mais temível caçador de escravos era o capitão-do-mato.

Os negros que sobreviviam à caçada juntaram-se aos outros fugitivos e passaram a formar pequenos povoados chamados de mocambos. Muitos mocambos se formaram pela colônia, mas somente alguns resistiram ao tempo.

Com o passar das décadas a população negra cresceu nesses povoados negros com a chegada de mais fugitivos.

Na região do atual Estado de Alagoas, havia se formado um dos maiores mocambos de que se tem noticia, o Quilombo do Palmares.

Palmares acolheu escravos fugitivos vindos de diversas capitanias. Viviam por lá também índios e mestiços pobres.

Os quilombolas, moradores dos quilombos, dedicavam-se á agricultura, à caça e a pesca. Exerciam também o comércio de produtos agrícolas com as outras comunidades negras da área.

Por muito tempo, o Quilombo dos Palmares foi o paraíso dos negros africanos que aqui chegaram para viverem como escravos. Achando-se livre da escravidão, os negros passaram a formar famílias e resgataram suas raízes com à pratica da religião de origem africana.

Em sua maior densidade demográfica, o Quilombo dos Palmares ia do Cabo de Santo Agostinho até ao rio São Francisco. Buscando impor seu poder sobre a região, o governo colonial português organizou e incentivou campanhas militares contra o Quilombo dos Palmares.

Muitas expedições militares foram financiadas pelos senhores de engenho que buscavam recapturar escravos para a sua senzala. Após sofrer tantos ataques, o Quilombo dos Palmares foi reduzido a uma pequena região formada pelos mocambos de Macaco, Subupira, Tabocas e Zumbi.

O Quilombo dos Palmares teve como líderes Ganga Zona, Ganga Zuma e Zumbi, este último o mais importante.

Sob a liderança de Zumbi, os quilombolas ao invés de se defenderem, passaram a atacar os colonos que buscavam a destruição do Quilombo do Palmares. Usando taticas de guerrilha, Zumbi conseguiu destruir alguns engenhos, libertando seus irmãos escravizados e conseguindo munições e suprimentos para novas ações guerrilheiras.

A ferocidade de Zumbi dos Palmares fez com que os dirigentes coloniais daquela região, contratassem um dos mais experientes bandeirantes do período colonial, Domingos Jorge Velho.

O Capitão-mor Bernardo Vieira de Melo confiou a Jorge Velho a liderança de seis mil homens na luta contra o exército quilombola de Zumbi dos Palmares.

Mesmo com grande experiência, os bandeirantes tiveram grande dificuldade em vencer os rebeldes escravos na Guerra dos Palmares.

Em 1685 Zumbi dos Palmares, após ser traído, acabou sendo morto encurralado numa emboscada. Sua cabeça foi cortada para servir de exemplo aos negros que por ventura tentassem continuar com a ideia de se libertar da escravidão.

Sem a liderança de Zumbi, o Quilombo dos Palamares seria completamente abandonado pelos seus últimos habitantes em 1710.

0 comentários:

Postar um comentário

Regras para comentários:

Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
publicamos somente os comentários que tenham relação com o assunto da postagem.

Parcerias, Dicas e Sugestões entrar em Contato pelo Email: historiatecabrasil@hotmail.com

Históriateca Brasil © Copyright - Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia. Só é permitida a reprodução para fins de pesquisas e trabalhos escolares.

Plágio é crime (Artigo 29 Lei 9.610/98)