Aulas de História do Brasil

10/03/2010

O Segundo Reinado

Período em que o Imperador D. Pedro II governou o Brasil.

O Segundo Reinado iniciou-se em 1840 e durou até 1889, ano da Proclamação da República Brasileira.

Em 1840 D. Pedro II com a ajuda do Partido Liberal havia assumido antes do tempo o comando do Império do Brasil.Dom Pedro II Os liberais querendo subir ao poder juntamente com D. Pedro II, conseguiram de forma corruptiva (Golpe da Maioridade), antecipar a coroação de D. Pedro como Segundo Imperador do Brasil.

Por sustentarem a Campanha da Maioridade, os liberais foram recompensados pelo Imperador com a ocupação dos principais cargos ministeriais do Governo.

Ao assumir o Império do Brasil, D. Pedro II sabiamente concedeu anistia a todos os rebeldes envolvidos em conspirações contra o Governo Imperial, foi o caso dos envolvidos na revolta dos farrapos e da cabanagem.

No Segundo Reinado também havia eclodido novos movimentos contrário ao Governo de Dom Pedro II. Tais movimentos foram a Revolução Liberal de 1842 e a Revolução Praieira. Tais revoltas foram prontamente sufocadas.

Em 1847 D. Pedro II inovou o seu governo ao criar o cargo de Presidente do Conselho de Ministros, uma espécie de Primeiro Ministro.

O Ministro era escolhido pelo próprio Imperador, mas, a Câmara dos Deputados poderiam optar pela aprovação ou vetação deste escolhido.

Esta forma de governo parecia ser de um Governo Parlamentarista, mas, D. Pedro II era quem dava a palavra final sobre as decisões politicas do Império. O Poder Moderador reconhecido pela constituição de 1824 dava ao Imperador plenos poderes sobre as decisões do Legislativo, Executivo e Judiciário.

A Politica Externa do Segundo Reinado

Na politica externa mas precisamente na região platina, D. Pedro II teve que intervir militarmente para resolver impasses políticos nos governos da Argentina e Uruguai, na chamada Guerra contra Oribe e Rosas.

O Presidente Uruguaio Manuel Oribe juntamente com o Presidente Argentino Ruan Rosas planejavam unir seus governos visando a criação de uma grande nação que dominaria a Região do Plata.

Caso isso acontecesse o Império Brasileiro teria como vizinho uma poderosa nação que possivelmente disputaria com o Brasil, a termo de grandiosidade, a hegemonia sobre a Ámerica do Sul.

Sentido-se ameaçado com essa união, o Império Brasileiro agiu rapidamente, interviu militarmente no Uruguai além de dar suporte militar aos oposicionistas do Ditador Argentino Juan Manuel Rosas.

Com o consentimento do Brasil, Fructuoso Rivera tornou-se o novo Presidente do Uruguai e enquanto na Argentina o General José de Urquiza conseguiu derrubar o governo de Rosas e se transformou Primeiro Presidente Constitucional da Argentina.

O fato histórico mais marcante do Segundo Reinado ocorreu em 1865, ano em que o Império Brasileiro envolveu-se na chamada Guerra do Paraguai. Ao final da guerra o Governo Imperial perderia seu pouco prestigio que ainda restava.

A Questão Christie

No governo de D. Pedro II, o Brasil também se envolveu numa pequena crise diplomática com a Inglaterra. Três oficiais beberrões da marinha inglesa foram presos no Rio de Janeiro acusados de baderna. Logo estes marinheiros foram liberados ao serem reconhecidos como militares ingleses.

Ao ser informado do incidente, o Embaixadodor Britânico, William Christie, exigiu do Governo Brasileiro que fossem feitas desculpas formais. Christie também levantou ainda a questão de outro incidente passado. Exigiu que o Brasil indenizasse a Inglaterra pelo saque da carga do Prince of Wales, navio de carga inglês que naufragou no Rio Grande do Sul.

O Império Brasileiro não havia se curvado a tais reivindicações e por isso os ingleses valendo de uma esquadra naval aportada no Brasil apreendeu 5 navios mercantes brasileiros. O Governo Imperial afim de evitar um incidente ainda maior, pagou a indenização exigida pelos ingleses.

Não conformado com a atitude inglesa, o Brasil enviou representantes diplomáticos a Londres afim de exigir dos ingleses uma indenização por terem violado a soberania territorial do Brasil.

O Rei da Bélgica, Leopoldo I, envolve-se na crise diplomática como mediador. O soberano Belga foi favorável ao Brasil mas mesmo assim a diplomacia inglesa negou-se a pedir desculpas e por isso D. Pedro II decidiu cortar relações diplomáticas com a Inglaterra.

A Economia do Segundo Reinado

No início do Brasil Imperial o café substituiu o a cana-de-açucar como principal produto economico brasileiro.

O café inicialmente introduzido no Vale do Paraiba, São Paulo, e região fluminense do Rio de Janeiro, se expandiu rapidamente por se tornar um produto de grande aceitação no mercado mundial.

Nasce assim uma nova elite, agora concentrada no sudeste, a Elite Cafeeira, que tornou-se mais rica que os antigos senhores de engenho da elite do açúcar nordestina.

Os escravos negros que antes foram usados na indústria açucareira e na extração de ouros das minas, continuou a ser a força motora da economia ao serem redirecionados para os cafezais.

O trabalho escravo no Brasil diminuiria com o tempo devido ao capitalismo industrial, que necessitava de mais e mais compradores para absorver a produção.

O Brasil por ser um dos maiores países escravocratas do Século XIX, estava sofrendo pressões de nações capitalistas, em especial a Inglaterra.

O escravismo no Brasil diminuiria gradativamente com a aprovação de leis que buscavam o fim da escravidão. Já com poucos escravos para absolver a demanda de trabalho, a elite cafeeira teve que se adequar a nova realidade.

A Grande Imigração para o Brasil

Com o desaparecimento do trabalho escravo no Brasil, a elite econômica passou por uma grande crise devido a falta de mão de obra. Para acabar com este déficit de trabalhadores, tiveram que pagar salários para aqueles que venderam sua força motora.

O dinheiro que a elite econômica brasileira gastava com a compra de escravos, passou a ser gasto com o pagamento de um trabalhador assalariado. Estes trabalhadores eram imigrantes estrangeiros em busca de prosperidade no Brasil.

O Nascimento da Indústria no Brasil

No final do Século XIX, o Brasil passava por uma profunda mundança socio-econômica movido pelo capitalismo. O Trabalhador escravo foi substituído pelo trabalhador assalariado.

A nação passava por um grande crescimento demográfico, milhões de emigrantes europeus vieram para o Brasil e os bens de consumo passaram a ser escassos para esse grande número de pessoas.

Percebendo a oportunidade de gerar novos lucros a Elite do Café que havia acumulado capital provenientes da grande venda do café no mercado mundial, passaram a investir na criação de manufaturas.

Foram criadas indústrias brasileiras que passaram a fazer concorrência a bens de consumo produzidos pelas industrias estrangeiras. Liquidou-se assim no Brasil o mercado escravista mercantil em substituição ao mercado capitalista.

O Fim do Brasil Imperial

Ao final do Século XIX, o Brasil passou por uma grande metamorfose em sua estrutura socio-econômica. O Brasil prosperou, no entanto, o Governo Imperial perdia o seu prestígio.

A principais causas do descontentamento geral com o Governo Imperial do Segundo Reinado foram:

A Questão Militar

Os militares conscientes de sua importância dentro da sociedade brasileira, buscaram o direito de optar nas decisões politicas do país. Como não eram ouvidos, eles passaram a conspirar contra o Império.

A Questão Servil

Com o fim da escravidão, a elite agrária brasileira teve que se adaptar a nova realidade do país. Eles não se conformaram com idéia de remunerar um trabalhador assalariado.

No Congresso Nacional tanto o Partido Liberal quanto Partido Conservador tinham ligações com elite agrária escravocrata que dependia do trabalho escravo. Com isso D. Pedro II perdeu apoio do Congresso Brasileiro. Foram formados novos partidos políticos que defendiam o republicanismo como forma de governo.

A Questão Religiosa

D. Pedro II passou a ser mal visto por boa parte dos católicos do Brasil ao punir dois líderes clericais. Os dois religiosos acataram ordens vindas do Vaticano de puniram os catolicos que tinham envolvimento com a Maçonaria.

Como D. Pedro II estava rodeado de Maçons, exigiu que a ordem Papal fosse descumprida no Brasil.

Como os dois católicos não voltaram atrás em suas decisões, foram prontalmente presos com ordem do Governo Imperial.

A Igreja, a elite escravocrata e o exército eram os principais alicerces de sustentação do Império. Sem o apoio dos três, D. Pedro perdeu sua majestade e foi deposto por golpe politico.

Em 15 de Novembro de 1889, o Governo Imperial de D. Pedro II foi facilmente derrubado por uma conspiração republicana liderada pelos militares. A frente do movimento estava o Marechal Deodoro da Fonseca.

O Brasil passou a ser um país Republicano governado provisoriamente por Deodoro da Fonseca.

Em 17 de Novembro de 1889 D. Pedro II com toda a Familia Imperial, deixou o Brasil em direção ao exílio na Europa. Era o Fim do Segundo Reinado.

>>LEIA OUTRAS HISTÓRIAS DO BRASIL IMPERIAL<<

5 comentários:

  1. Muito obrigada por postarem isso, me ajudou muito no meu trabalho de história!

    ResponderExcluir
  2. Me ajudou Muitoo No Meu Trabalho da Escola..
    Obrigadaa...*-*

    ResponderExcluir
  3. olha o pleonasssmoooooooooo

    ResponderExcluir

Regras para comentários:

Todos os comentários são lidos e moderados previamente.
publicamos somente os comentários que tenham relação com o assunto da postagem.

Parcerias, Dicas e Sugestões entrar em Contato pelo Email: historiatecabrasil@hotmail.com

Históriateca Brasil © Copyright - Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia. Só é permitida a reprodução para fins de pesquisas e trabalhos escolares.

Plágio é crime (Artigo 29 Lei 9.610/98)